quinta-feira, 14 de maio de 2009

Uma pitada de humor para os acadêmicos

Para chegar ao fim das coisas, o primeiro passo é julgá-las possíveis.

Luiz XIV


Eu estou aguardando a data para defender minha tese, cujo tema é: "Os Serviços de Atendimento ao consumidor e a fidelização dos clientes sob a ótica dos princípios da informação e da transparência". Um tema voltado para as relações de consumo mas sob o prisma da administração, do marketing e da sociologia. Foram anos de estudo e outros tantos para escrever, agora aguardo a data para a defesa perante a banca.

Depois de anos me concentrando unicamente na tese, agora estou vivendo novamente em sociedade, voltei a ir à festas de aniversário, jantar fora, ir à praia, pequenos prazeres que abandonamos para focar nos estudos, a todos que estão passando por isso ou já passaram podem compreender.

É evidente que valorizo esse esforço e que tenho certeza que é recompensador, mas não posso deixar de compartilhar com todos o ponto de vista do ilustre Mário Prata, que tratou com uma boa dose de humor alguns aspectos da vida de quem trilha o caminho acadêmico.

Boa sorte para os que ainda vão trilhar essa seara, parabéns para quem já trilhou...

Para os familiares e amigos, analisem e comentem se o Mário Prata tem razão. Abs a todos.






Uma tese é uma tese
Mário Prata




Sabe tese, de faculdade? Aquela que defendem? Com unhas e dentes?
É dessa tese que eu estou falando.
Você deve conhecer pelo menos uma pessoa que já defendeu uma tese.
Ou esteja defendendo. Sim, uma tese é defendida.
Ela é feita para ser atacada pela banca, que são aquelas pessoas que gostam de botar banca.
As teses são todas maravilhosas. Em tese.

Você acompanha uma pessoa meses, anos, séculos, defendendo uma tese. Palpitantes assuntos. Tem tese que não acaba nunca, que acompanha o elemento para a velhice. Tem até teses pós-morte. O mais interessante na tese é que, quando nos contam, são maravilhosas, intrigantes.

A gente fica curiosa, acompanha o sofrimento do autor, anos a fio. Aí ele publica, te dá uma cópia e é sempre - sempre - uma decepção. Em tese. Impossível ler uma tese de cabo a rabo. São chatíssimas. É uma pena que as teses sejam escritas apenas para o julgamento da banca circunspecta, sisuda e compenetrada em si mesma.

E nós? Sim, porque os assuntos, já disse, são maravilhosos, cativantes, as pessoas são inteligentíssimas. Temas do arco-da-velha. Mas toda tese fica no rodapé da história. Pra que tanto sic e tanto apud? Sic me lembra o Pasquim e apud não parece candidato do PFL para vereador? Apud Neto.

Escrever uma tese é quase um voto de pobreza que a pessoa se autodecreta. O mundo pára, o dinheiro entra apertado, os filhos são abandonados, o marido que se vire. Estou acabando a tese. Essa frase significa que a pessoa vai sair do mundo. Não por alguns dias, mas anos.

Tem gente que nunca mais volta.

E, depois de terminada a tese, tem a revisão da tese, depois tem a defesa da tese. E, depois da defesa, tem a publicação. E, é claro, intelectual que se preze, logo em seguida embarca noutra tese. São os profissionais, em tese.

O pior é quando convidam a gente para assistir à defesa. Meu Deus, que sono. Não em tese, na prática mesmo. Orientados e orientandos (que nomes atuais!) são unânimes em afirmar que toda tese tem de ser - tem de ser! - daquele jeito. É pra não entender, mesmo. Tem de ser formatada assim. Que na Sorbonne é assim, que em Coimbra também. Na Sorbonne, desde 1257. Em Coimbra, mais moderna, desde 1290.

Em tese (e na prática) são 700 anos de muita tese e pouca prática. Acho que, nas teses, tinha de ter uma norma em que, além da tese, o elemento teria de fazer também uma tesão (tese grande). Ou seja, uma versão para nós, pobres teóricos ignorantes que não votamos no Apud Neto. Ou seja, o elemento (ou a elementa) passa a vida a estudar um assunto que nos interessa e nada. Pra quê? Pra virar mestre, doutor? E daí?

Se ele estudou tanto aquilo, acho impossível que ele não queira que a gente saiba a que conclusões chegou. Mas jamais saberemos onde fica o bicho da goiaba quando não é tempo de goiaba. No bolso do Apud Neto?

Tem gente que vai para os Estados Unidos, para a Europa, para terminar a tese. Vão lá nas fontes. Descobrem maravilhas. E a gente não fica sabendo de nada. Só aqueles sisudos da banca. E o cara dá logo um dez com louvor. Louvor para quem? Que exaltação, que encômio é isso?

E tem mais: as bolsas para os que defendem as teses são uma pobreza. Tem viagens, compra de livros caros, horas na Internet da vida, separações, pensão para os filhos que a mulher levou embora. É, defender uma tese é mesmo um voto de pobreza, já diria São Francisco de Assis. Em tese.

Tenho um casal de amigos que há uns dez anos prepara suas teses. Cada um, uma. Dia desses a filha, de 10 anos, no café da manhã, ameaçou:

- Não vou mais estudar! Não vou mais na escola.

Os dois pararam - momentaneamente - de pensar nas teses.

- O quê? Pirou?

- Quero estudar mais, não. Olha vocês dois. Não fazem mais nada na vida. É só a tese, a tese, a tese. Não pode comprar bicicleta por causa da tese. A gente não pode ir para a praia por causa da tese. Tudo é pra quando acabar a tese. Até trocar o pano do sofá. Se eu estudar vou acabar numa tese. Quero estudar mais, não. Não me deixam nem mexer mais no computador. Vocês acham mesmo que eu vou deletar a tese de vocês?

Pensando bem, até que não é uma má idéia!

Quando é que alguém vai ter a prática idéia de escrever uma tese sobre a tese? Ou uma outra sobre a vida nos rodapés da história?
Acho que seria uma tesão.

14 comentários:

cida godoy disse...

Oi Sabrina:

Amei!!! Muito legal!

Bjs

Lisavieta disse...

Boa sorte com a sua tese!
Boa sorte com a retomada da "vida social"
(=
Lisa

Débora Dalborgo disse...

Olá Sabrina, adorei o comentário do Mário Prata sobre o tema "TESE", é muito inteligente e engraçado, tendo seu "fundo" de verdade em muitos pontos do texto. Com relação ao seu mestrado, sei o quanto lutou e se dedicou horas e horas para conclui-lo, portanto, tenha certeza que no momento que marcarem a data da apresentação de sua tese para a banca, vc irá arrasar e nós (amigos e família) estaremos lá para bater muitas palmas e fazer a festa.
Bjs
Débora Dalborgo

silvia disse...

Prima, sinceramente ele não deixa de ter razão em alguns momentos (rsrsrs). Mas ao final da apresentação para a banca, com certeza você já estará pensando em fazer um doutorado rsrsrs. Agora é só aguardar a apresentação para “relaxar” e curtir a nota máxima que você irá tirar.

beijos

Samantha disse...

É prima, finalmente o tão sonhado tempo livre está de volta, saudade de você nas festas, nas reuniões, nas máquinas de dança rs.... eu sei que você vai tirar a melhor nota... você merece tudo de melhor, por ser simplesmente batalhadora, guerreira, corajosa..... tudo de melhor muito sucesso... beijos e até logo(finalmente)

Renata disse...

Sabrina

é fantástico este ensaio do Mario Prata!!!! deve mesmo ser uma coisa horrenda para os que estão de fora, viver ao lado de quem faz uma tese.... e quanto ao voto de pobreza e que alguns nunca saem disso, apesar de já terem defendido a tese... algo de razão tem nisso!!!! enfim.... é curioso ver com olhos alheios o que passamos em carne própria.

um beijo.

renata

Sandra disse...

Amiga,
por favor, voce pode esperar eu ir ate' ai' e ter um tempinho pra gente passar juntas (10 dias somente) pra depois voce comecar outra coisa? E' pq qdo vc parar de fazer alguma coisa vc vai deixar de ser a Sabrina!!!!
Tenho certeza que vc vai se sair muito bem defendendo seus pontos!!

Carlos disse...

Sabrina, obrigado pela visita ao blog http://opesquisadorlogico.blogspot.com gostei do seu comentário sobre o google, mas ao menos no meu caso ainda tem um blog falando coisas tortas, que não consigo tirar do ar... mas realmente eles estão se preocupando com pedofilia.

Boa sorte com sua tese, acabei minha dissertação e não sei se tenho coragem de enfrentar uma briga nova deste tamanho.

Abs,
Carlos Lavieri

Sabrina Noureddine disse...

Fiquei contente que vcs gostaram dessa crônica do Mario Prata, obrigada pela força, entrar para o mundo acadêmico não é fácil, não. Doutorado? Não faz parte de meus sonhos no momento, mas no futuro? Não sei ainda, existem muitas coisas para fazer e pensar que são prioridade agora, parar de fazer alguma coisa é que eu não vou mesmo... (e isso vcs poderão constatar aqui no blog) bjos a todos.

hassan disse...

A sabrina está feliz e eu tenho orgulho dela, mas o Mario Prata tem mais razão do que voces pensam: "não tem tempo para o marido e para os filhos..." alguém disse: filhos?

Débora e Márcio Dalborgo disse...

Happy Birthday, Sabrina!! Que Deus a abençõe com muito amor, saúde,prosperidade e muitas realizações. Achei uma mensagem linda de aniversário, espero que goste:
"Hoje estou aqui para te desejar um dia feliz,
pois hoje realmente é um grande dia,
afinal de contas mais 365 dias se passaram na tua vida
e com eles vieram novos sonhos,
novas conquistas e também novos projetos de vida.

Faz alguns anos que Deus te enviou a terra
para iluminar a todos com a tua presença,
e neste dia mais que especial que evidencia a tua chegada ao mundo,
palavras não bastam para te homenagear,
você é uma obra preciosa que Deus criou
e revestiu com muitas e boas qualidades,
uma grande pessoa que admiro e quero muito bem.

É muito bom saber que você existe
e que posso contar com você caminhando ao meu lado,
presente em minha vida.

Que você caminhe sempre em busca do sucesso,
alcançando um futuro amplo,
se aperfeiçoando e prosperando ainda mais.

Te desejo simplesmente um

FELIZ ANIVERSÁRIO".

Um grande beijo,
Débora e Márcio Dalborgo.

Fernanda disse...

Dra. Sabrina,
Hoje é um dia muito especial, e os anjinhos estão festejando no céu, sabe porque?
Porque hoje faz mais um ano que eles enviaram para a terra uma irmã, que tem os representado com muito orgulho!!!

Passei hoje aqui para fazer uma pequena homenagem mas de coração!! Desejar um ótimo aniversário, e que todos os seus sonhos sejam realizados, e que cada dia mais o sucesso continue caminhando ao seu lado!!!

Desejo tudo de mais maravilhoso, muita saúde, felicidade, amor, harmonia e paz!!!

Fica com Deus...
Beijos!

O MURAL: pensamentos e divagações, ideias enfim. disse...

nietsche escreveu: "a dificuldade para se subir uma montanha não boa medida para sua altura"
também acho q o mundo acadêmico é muito fechado em si (já estudei em uma universidade federal, esta é minha vivência, pelo menos) e para outros sistemas menos "sisudos" q o mundo técnico-científico. até a arte perde seu 'viço rebelde' quando tratada nas academias. mas isso e só uma tese é lógico.
as tese, monografias e afins devem visar a humaidade como um todo e não um grupo de detentores seletos de conhecimentos especiais, devem promover mudanças no ser humano, ser este que é finalidade de toda tese e toda a educação.
acho q isso da uma tese!!!

leonardosanjos disse...

Sabrina,
gostei do teu blog e adorei esse texto do Mario Prata mas
em tese, fazer uma tese de doutorado não faz parte de nossos planos logo depois que terminamos o mestrado, mas só em tese...Boa sorte.